Inseticidas Naturais - Tomate Orgânico - Criação de Minhocas

ENTREVISTAS

www.agrorganica.com.br - nossas publicações

Inseticidas Naturais/Defensivos alternativos- Eng. Agr. Silvio R. Penteado

P.O que significa o controle alternativo de pragas e moléstias?
SRP. Consiste na proteção das plantas, com produtos que não contaminam o homem e os animais, nem destroem o ecossistema, e mantém o solo, o ambiente e a planta saudáveis. Nestas condições, os frutos são sadios, com o sabor característico e as plantas permanecem mais vigorosas e resistentes.

P. O controle alternativo é eficiente?
SRP. Hoje há muitos produtos alternativos e naturais que podem substituir com eficiência os agrotóxicos, como a Calda Bordalesa e a Calda Viçosa no combate a doenças fúngicas e bacterianas, Calda Sulfocálcica para aplicação contra ácaros e diversas pragas.

Utiliza-se o Controle Biológico que utiliza fungos e virus em pó, para controle de lagartas, cigarrinhas, besouros, etc Os extratos de plantas como nim, fumo, alho, pimenta etc, sozinhos ou em misturas, são muito eficientes contra pragas. Há outros produtos naturais, como biofertilizantes, ácido pirolenhoso, sabão, cinzas, armadilhas, etc, que são empregados para proteger as plantas contra pragas e doenças.

P. Como funciona, efetivamente, este método?
SRP.
O princípio do defensivo alternativo antes de tudo é fortalecer a planta, aumentando a sua defesa natural. Geralmente estes produtos contém nutrientes essenciais, hormônios, vitaminas, etc. que proporcionam maior resistência da planta e favorecem os processos metabólicos, que fortalecem os tecidos contra infecções e a penetração dos insetos. Do outro lado, promovem a neutralização dos radicais livres e açucares, que são alimentos e que favorecem a infestação de pragas e patógenos.

P. Somente os defensivos alternativos são suficientes para manter a planta sadia?
SRP.
Não. Para ter um baixo custo e reduzido número de tratamentos, devem ser utilizados métodos complementares, de proteção, como rotação de culturas , biodiversidade de cultivos, empregos de adubos verdes, faixas de refúgios, adubos de lenta liberação de nutrientes, cobertura morta, adubação orgânica, etc.

P. Por que alguns produtores de frutas ainda resistem em adotar o controle alternativo?
SRP.
Geralmente por desconhecer os princípios que envolvem o emprego dos defensivos alternativos e suas vantagens. Também por falta de orientação no preparo e aplicação dos alternativos, proporcionam baixa eficiência no tratamento.

Outros produtores, por desconhecem as indicações e recomendações para cada cultura. Os resultados nem sempre são imediatos, as vezes não surgem primeiras aplicações dos defensivos alternativos, porque as plantas que foram tratadas por produtos convencionais estão saturadas com agrotóxicos e precisam passar por um período de desintoxicação. O problema também é quanto a disponibilidade destes produtos nas diferentes regiões, uma vez que geralmente os produtos alternativos não são encontrados nas lojas agropecuárias. Maiores informações, temos as publicações:
Defensivos Alternativos e Naturais - veja em Livros e Publicações do site: www.agrorganica.com.br


 TOMATE ORGÂNICO - LUIZ ORLANDO FORTI
 
      Queremos apresentar a entrevista  com Luis Orlando Forti, que é o técnico responsável pela produção orgânica da Fazenda Santa Teresa do Alto, situada em Itupeva-SP, uma das maiores empresas produtoras de tomate orgânico do Brasil. Maiores informações, veja na APOSTILA ESPECIAL, QUE ENSINA TUDO SOBRE TOMATE ORGÂNICO, LANÇADO PELO AGRORGANICA
 
 COMO É FEITA A  FORMAÇÃO DA MUDA?
R.
As mudas são formadas em bandeja de 128 furos, em viveiros isolados e protegidos. Como substratos para semeadura do tomate nas bandejas,  poderão ser utilizadas os seguintes materiais: Substratos certificados; Bokashi, Humus e Vermicula.

 QUAL É A RECOMENDAÇÃO PARA A IRRIGAÇÃO NESTA FASE?
R.
O excesso de áuga pode prejudicar a qualidade e a sanidade da mudas.  As mudas poderão ser irrigadas manual ou automaticamente, evitando encharcar o substrato, principalmente nas primeiras semanas após a germinação. O volume de água aumenta á medida que a muda vai crescendo.

QUANTO É FEITO O TRANSPLANTIO PARA O CAMPO
R.
A muda somente poderá ir  ao campo com 3 folhas definidas ou com 4 semanas de idade. Fazer um controle rígido da qualidade, tamanho, sanidade, etc. Somente transplantar as mudas fortes e saudáveis, com padrão uniforme.

APÓS A ADUBAÇÃO, QUAIS SÃO AS OPERAÇÕES RECOMENDADAS?
R.
Em  seguida da adubação de são realizadas as seguintes operações:  Incorporação dos adubos a 10 cm do solo. As áreas são cobertas comr com palha de milho ou capim. Irrigar por 20 minutos. Transplantar as mudas.
 
QUAL OUTRA PRAGA DE IMPORTÂNCIA?
R.
É ácaro vermelho (Tetranichus bimaculantus),ds que procuramos combater com  defensivos naturais como Nim 0,5% ou então fazemos o controle da temperatura da estufa com climatização.

QUAL A IMPORTÂNCIA DA ROTAÇÃO DE CULTURAS PARA O TOMATEIRO?
R.
Além das grandes vantagens por favorecer a fertilidade do solo,  utilizamos a rotação de culturas para reduzir a população de nematóides (Meloidogyne). A rotação é feita, principalmente  com crotalárias. É preciso aplicar muita matéria orgânica no solo.

10. QUANTO ÀS DOENÇAS, QUAIS SÃO OS MAIORES PROBLEMAS E COMO É FEITO O SEU CONTROLE?
R.
Os maiores problemas são a murcha bacteriana e a requeima. Quanto ao controle, da murcha deve-se adotar os seguintes procedimentos: Cultivares resistentes, rotaçã o de culturas, áreas novas, controle da irrigação, etc. Para a requeima ou mela, recomenda-se cortar a irrigação por alguns dias; plantios mais espaçados; aplicar calda Bordalesa.

OBS. Tenha maiores informações sobre Tomate Orgânico na apostila "Cultivo do Tomate Orgânico", que é vendido pelo Agrorganica, que tem o depoimento completo do técnico Luiz Forti – á venda em Livros e Publicações do site: www.agrorganica.com.br


CAFÉ E MILHO ORGÂNICO - Eng. Agr. José Carlos B. Maia

Queremos apresentar a entrevista com o Eng. Agr. João Carlos Berluzzo Maia, produtor orgânico nas duas propriedades da família: Fazenda Santa Lúcia, no Mun.de Garça-SP, e Fazenda Pau a Pique, no Mun. de Capivari-SP. O Eng. Agr. João Maia, exerce também a função de Diretor Técnico da ANC- Associação de Agricultura Natural de Campinas e Região.


1. Quais são os produtos agrícolas que produz orgânicamente?
R. Anos atrás produzia hortaliças orgânicas, porém hoje trabalho somente na produção de café e milho orgânico.

2. Há quanto tempo entrou no processo de produção orgânica?
R. Desde a fundação da ANC, isto é, há nove anos atrás.. Sou sócio-fundador da ANC; comecei a produzir hortaliças, que comercializava nas feiras e fornecia para lojas especializadas.

3. Quais foram os maiores problemas que enfrentou para a conversão orgânica?
R. Nós tínhamos poucas publicações a respeito de agroecologia, assim como faltavam técnicos especializados nesta área. As oportunidades de aumentar nosso conhecimento eram muito restritos. A tecnologia para a produção orgânica não era ainda bem desenvolvida. Basicamente, o trabalhos de campo consistiam de adubação verde, composto orgânico, bokashi e defensivos naturais para combate aos patógenos e insetos nocivos.

4. Com essa experiência, quais os pontos fundamentais que destaca para a instalação do cultivo orgânico?
R.
O cultivo orgânico consiste num aprendizado a campo, com a observação de todo o ciclo da cultura, considerando a relação solo/planta/ambiente, este é o ponto que considero mais importante. O produtor sem dúvida, deve fazer primeiro um planejamento de uso da sua terra, levando em conta o consórcio de plantas companheiras, alelopáticas e antagônicas.

5. Como é feita a comercialização dos seus produtos?
R.
O café é ainda novo, partindo agora para a primeira colheita. No entanto, o milho tem sido colocado fácilmente em granjas orgânicas, tanto de animais e aves, porque as Normas do Ministério da Agricultura para a Produção Orgânica, exigem que a maior parte da ração sejam de matéria prima orgânica. O mercado do milho orgânico está muito bom, porque hoje há falta de milho orgânico para ser fornecido às granjas orgânicas.

SAIBA COMO IMPLANTAR O CULTURAS NO SISTEMA ORGÂNICO NO LIVRO “ INTRODUÇÃO À AGRICULTURA ORGÂNICA”


CRIAÇÃO DE MINHOCAS - Eng. Aristeu Peressinoto

-Quais as possibilidades atuais do cultivo de minhocas ?
R.:
Atualmente existe maior disponibilidade de informações técnicas e comerciais a respeito da atividade. A minhocultura é uma atividade capaz de criar alternativas para diversificação de rendimentos na propriedade rural , utilizando os recursos humanos, de materiais e equipamentos disponíveis

-Quais são os custos para iniciar o cultivo de minhocas ?
R.:
O investimento necessário para o início do cultivo é bastante baixo, pois com exceçào das matrizes, todos os recursos necessários podem ser aproveitados da propriedade.

-Quais os produtos obtidos com a criação? e a possibilidade de venda?
R.:
Em princípio, com a minhocultura produzem-se minhocas e húmus. As minhocas podem ser comercializadas como isca para pesca, para procriação, para laboratórios que realizam análise sobre contaminação de solos, como também podem ser utilizadas na alimentação animal, tanto in natura como na forma de farinha para ser incorporada na ração. O húmus pode ser utilizado na propriedade para recuperação das propriedades físicas, químicas e biológicas do solo. Propiciando condições para o cultivo orgânico de frutas, verduras, legumes, grãos agrícolas, etc. O excedente da produção poderá ser comercializado para atender a demanda dos ramos de paisagismo e jardinagem , nos centros urbanos, ou a produtores rurais.

8-Quais os benefícios para o solo e a planta traz o humus?
R.:
O húmus é um adubo científicamente preparado, contendo todos os elementos dos macronutrientes( N, P, K, Ca , Mg , S ) e micronutrientes ( Mn, Fe, Cl, Cu, Zn, Co, Bo, Mb ) e microorganismos humidificantes alcalinos ( rhizovium - fixadores do nitrogênio atmosférico );
Possui elevada CTC ( capacidade de troca de cátions ), propiciando maior disponibilidade dos nutrientes disponíveis no solo; Retém melhor seus elementos, liberando-os dosadamente,tornando a adubaçào mais eficaz e duradoura;

-Quem pode fornecer as minhocas para o início do cultivo?
R.:
Normalmente todo minhocultor que esteja estabelecido, poderá fazê-lo. Porém, recomendamos efetuar uma pesquisa de mercado, quanto a qualidade, espécie, preço e se possível sobre a idoneidade do possível fornecedor.

-Como ter um bom aprendizado para iniciar o cultivo?
R.:
O aprendizado pode ser obtido através de literatura especializada ou por meio de cursos teóricos e práticos que são oferecidos em nosso estado. A Anhumus realiza esses cursos mensalmente na cidade de Campinas, S.P. A programação dos cursos de minhocultura pode ser obtida através do site ( www.anhumus.com.br), ou pelo telefone 0xx19-32565813.

-Quais as espécies de minhocas que podem ser criadas em cativeiro ?
R.:
As espécies mais produtivas são : Eudrilus eugeniae e Eisenia foetida , conhecidas popularmente como Gigante Africana e Vermelha da Califórnia, respectivamente.

-
Pode ser feito a criação com instalações simples?
R.:
A criação de minhocas pode ser realizada através dos sistemas de canteiros, leiras ou caixas. O sistema de leiras é o que exige menor investimento inicial e o sistema de caixas necessita de maior investimento em instalaçòes. O sistema de criação de minhocas através de canteiros é o mais utilizado pelos minhocultores , aqui no Brasil. Os canteiros podem ser construídos com tijolo comum ou baiano, blocos ou placas de cimento, tábuas de madeira ou até mesmo de bambu. De um modo geral as instalações podem ser bastante simples.

-Quais são os tipos de estercos mais recomendados?
R.:
As minhocas se alimentam de toda matéria orgânica em decomposição, tanto de origem animal como vegetal. Todo esterco animal, principalmente os oriundos de bovinos, suínos, equinos, caprinos e ovinos, constituem-se em excelente fontes de matéria prima para a criação de minhocas.

-É viável a criação em pequenas propriedades?
R.:
Sim, a minhocultura não exige grandes áreas para torná-la viável.
Normalmente, nas propriedades rurais encontramos todas condições para implantação da minhocultura com o mínimo de investimento. E os produtos da minhocultura podem ser utilizados na propriedade e o excedente da produção poderá ser comercializado , valorizando a propriedade e obtendo fontes alternativas de rendimento.


-Quais orientações você daria para quem pretende iniciar nesta atividade?
R.:
A obtenção de informações técnicas confiáveis a respeito da atividade deve ser o primeiro passo. Em seguida, devemos verificar a disponibilidade de matéria prima ( material orgânico ) , estabelecer nível de produção mensal e planejar a construção do minhocário, de forma a viabilizar a oferta de matéria prima com a demanda dos produtos da minhocultura e os recursos disponíveis.

CONHEÇA  NOSSAS PUBLICAÇÕES SOBRE A CRIAÇÃO DE MINHOCAS EM LIVROS E PUBLICAÇÕES